Sem Justiça não há Liberdade!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Destacamos, que existe uma tendência muito grande, tanto na doutrina, como na jurisprudência, em se permitir a relativização da coisa julgada, na busca de um processo justo.

Seria o exemplo dado pelo Professor Cristiano Sobral, em seu livro Direito Civil Sistematizado, citando o STJ, a questão de ações de estado, como no caso da investigação de paternidade.

Deve tal ação ser interpretada _modus_in _rebus_ .

Gostou? Deixe o seu Comentário...